Montag, 24. November 2014

Livres pensadores musicais

      Martin Münch 

Martin Münch nasceu em 1961 em Frankfurt, cursou música e filosofia em Mainz, posteriormente estudou composição com Wolfgang Rihm na Escola Superior de Música de Karlsruhe. Sua atividade de concertista leva-o a realizar mais de trinta concertos anuais, destacando- apresentações na Filarmonica St. Petersburg, no Mozarteum de Salzburg e no Teatro Gasteig em Munique, bem como em Roma, Paris, Madrid e Sofia na Bulgária, Brasil, Argentina, Japão e nos Estados Unidos. 
Martin Münch tem-se destacado por sua interpretação crepuscular e sensível da suíte Ibéria de Albeniz na sua forma completa, por suas interpretações da coleção integral de sonatas de Scriabin bem como obras de Balakirev.
O compositor e pianista apresenta-se em programações de rádio e TV em Alemanha e Bulgária, principalmente na execução de obras do século XIX tardio e do início do século XX. Suas 50 composições para piano e para música de câmara incluem também obras orquestrais. 
Seu CD produzido em 1996 e intitulado "katharsis" destaca-se por conter improvisações ao piano repletas de passagens tão impactantes quanto de uma arte madura e extraordinariamente bem direcionada e formatada. Com isto, Münch tem obtido críticas muito positivas principalmente na Frankfurter Rundschau e em outros veículos de comunicação alemães.
Desde 1994 que Martin Münch é professor de piano na Universidade de Bamberg e têm ainda fundado e participado de inúmeros eventos europeus que promovem a música para piano no seu nível artístico mais elevado.
Premiações
        • Darmstadt Rachmaninoff-Wettbewerb 2013, 2. Premio "Studio Rachmaninovesco"
        • Berlin Pyromusikale 2009, 1. Premio "Feuerwerk-Ouvertüre" (tocada pelas Berliner    Symphoniker)

Concertos e realizações das obras (seleção)
        • Paris Cité des Arts, Eglise St. Merri, Montparnasse
        • St. Petersburg Philharmonie
        • Salzburg Mozarteum, Graz Palais Erfurt, Klagenfurt Konservatorium
        • München Gasteig, Heidelberg Stadthalle, Heilbronn & Schweinfurt Theater
        • Florenz Institut Francais, Lyceum Club, Catania Palazzo Biscari
        • Madrid Ateneo, Barcelona Caja de Ahorros, Sevilla Expo '92
        • Sofia Staatlicher Fernseh-Sendesaal
        • Budapest Bartok-Haus
        • Belgrad Justizpalast
        • Warschau Kulturzentrum Praga
        • New York Deutsches Generalkonsulat
        • Buenos Aires Teatro Colón, Museo de bellas artes
        • Montevideo Deutsche Botschaft
        • Rio de Janeiro Maison de France, Porto Alegre Conservatorio

Colaboração com orquestras
        • Philharmonisches Orchester Bacâu (Rumänien), 2004. 2008, 2010
        • Württembergische Philharmonie Reutlingen, 2000
        • Rheinland-Pfälzische Philharmonie, 2012
        • Philharmonisches Orchester Hermannstadt (Rumänien), 2010
        • Toskanische Philharmonie Grosseto (Italien), 2009
        • Berliner Symphoniker, 2009
Programa: 
 "Livres-pensadores musicais"

O programa de concerto "Livres-pensadores musicais" tem como lema:
"Espíritos-livres, o êxtase, a destruição e a criação do mundo - em concerto-espelho, a composição, a destruição, o risco e a liberdade."

Apresenta obras conhecidas extáticas e intensivas de espíritos-livres musicais de destaque que transportarão o ouvinte ao período deslumbrante da virada do século IXX e oferecerão - contrastando a música de Mozart com obras do compositor e pianista Martin Münch - uma experiência musical e filosófica interessante e muito especial.

1ª Parte
Ravel: Bolero
Scriabin: Sonata N° 2, op. 19
Debussy: Danse
Mozart: Minueto e Giga
Münch: Suite antique
2ª Parte
Münch. Valses sentimentales
Mozart: Fantasia em ré menor
Debussy: L'isle joyeuse
Scriabin: Sonata N° 9, op. 68 "Mesa Negra"
Ravel: La Valse

Duração 2x45 minutos


Vivemos num tempo em que os direitos civis e humanos duramente conquistados como base fundamentais para a vida civilizada e habitável estão novamente ameaçados pela religião e pelo modo como as sociedades lidam com eles. Desta vez, porém, a ameaça não vem do cristianismo e sua história criminal milenar, mas sim do Islão ainda indomado, indomável, arcaico e brutal  - e da nossa incapacidade em manter-nos decisivamente contra as pretensões políticas a todos os níveis da sociedade. 
Em todas as épocas "espíritos livres" levantaram a questão sobre como criar uma sociedade mais humana e mais habitável; muitos pagaram com a própria vida a defesa deste pensamento. Até mesmo fundadores religiosos como Jesus Cristo, a quem não se pode negar o aspecto de um impulso parcialmente de espírito livre, tentaram iluminar criticamente e atenuar disparates desumanos do Antigo Testamento. 
Mas o "livre pensamento " verdadeiro se comprova sempre e repetidamente rejeitando todos os supostos dogmas e "verdades" da fé. 
Quem não proclama frases com pretensão da verdade eterna e com exigência de subordinação, e quem ao contrário não se inclina a tal exigência, é um espírito livre. Um espírito livre faz o seu caminho individualmente. Ele duvida, busca, pergunta e não aceita respostas preestabelecidas (sobretudo as da religião) como uma pseudo-solução conveniente.
Os compositores escolhidos para este concerto foram neste sentido, todos livres-pensadores:
Ravel era ateu, Scriabin foi um solipsista, Debussy pode ser descrito como um panteísta, Mozart era maçom e Münch é agnóstico. 
Apercebe-se o estilo de vida particular e a visão do mundo nas obras apresentadas? O concerto com introdução ousa dar algumas respostas.


Links de Youtube:

Clippings


Rider Técnico:
Piano e banco

Martin Muench
Compositor e pianista
Diretor do festival Neckar-Musikfestival
info@martin-muench.de
Tel. +49-6221-6172144
martin-muench.blogspot.com
martin-muench.de
neckar-musikfestival.de

Keine Kommentare:

Kommentar posten